Destaque Esporte Inclusão Social Lazer Notícias

Torcedores surdo-cegos se reúnem para acompanhar o jogo do Brasil contra o México em SP

Memorial da Inclusão, na Barra Funda, Zona Oeste de SP, teve telão e seis torcedores surdos e cegos acompanhados de seus guias-intérpretes.

Carlinhos com camisa do Brasil e o interprete Hélio aguardam início do jogo da seleção (Foto: Marcelo Brandt/G1)
Carlinhos com camisa do Brasil e o interprete Hélio aguardam início do jogo da seleção (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Seis surdo-cegos se reuniram com seus intérpretes no Memorial da Inclusão, na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (2), para torcer pelo Brasil na partida contra o México, nas oitavas de final da Copa do Mundo.

Carlos Junior, de 31 anos, conhecido como Carlinhos, que viralizou na internet em um vídeo em que aparece torcendo para o Brasil na Copa do Mundo, não escondia a felicidade. Através de seu guia-intérprete Hélio Fonseca, 37 anos, Carlinhos contou que está confiante que o Brasil vai ganhar.

“Hoje o Brasil vai ter um pouco de dificuldade contra o México porque eles estão tendo uma boa atuação nessa Copa, mas acredito que vamos vencer de 1 a 0. O goleiro do México é muito bom, mas acredito que o Philippe Coutinho vai fazer esse gol”, disse ele.

Hélio acompanha Carlinhos há doze anos. Os dois trabalham no Memorial da Inclusão. Carlinhos como palestrante e Hélio como guia-intérprete, mas ambos se conheceram antes.

“Nos conhecemos em um evento dentro da igreja. Eu não sabia me comunicar com ele, mas me ajudaram. Eu falava com a mãe dele e já trabalhava como intérprete de libras”, relembra ele.

A amizade virou parceria no trabalho. “A gente tem uma relação de amizade e trabalho. Aqui no Memorial ele é palestrante. Toda vez que vai ter alguma formação a gente chama ele para explicar sobre esse espaço. O lema aqui do Memorial é ‘nada sobre nós sem nós'”, explica Hélio.

Para Hélio, é importante as pessoas conhecerem a condição dos surdo-cegos e lutar pela inclusão. “Nenhuma deficiência atrapalha a vida, para usar uma frase de Maria Lourdes Guarda. Porque cada um acompanha o jogo a sua maneira e torce a sua maneira”, disse ele.

Renato Rodrigues, 37 anos, é o outro guia-intérprete de Carlinhos que aparece no vídeo que viralizou em sua conta do Facebook e tem mais de 16 mil compartilhamentos.

“Pra gente tem sido muito positivo. Não esperávamos que fosse ter essa repercussão porque em 2014 já tínhamos feito um vídeo assim, mas pelo jeito muita gente ainda não tinha visto”, relembra ele.

Renato trabalha há dez anos como guia-intérprete. “O legal disso é que eles podem ter a experiência na íntegra e ao vivo. É muito diferente de alguém contar para eles o resultado do placar, aqui eles vivem a emoção na hora acompanhando o jogo”, explica Renato.

O guia salienta a importância de proporcionar a inclusão dos deficientes. “Eles ficam muito felizes com isso. A minha sensação de proporcionar isso é incrível. Muita gente deve ter vontade de se comunicar com eles e não sabe. Você conseguir impactar positivamente a vida dessas pessoas não tem preço”, afirmou.

A guia-intérprete Vânia Santiago, 36 anos, também interpretou o jogo para os surdos e cegos que se reuniram no Memorial.

Para ela, a inclusão tem de ser em todas os setores da vida. “Eu acho que a gente fala bastante em inclusão educacional, mas a vida também é cultura, esporte, lazer. Tudo isso tambem faz parte da vida, então em todas as esferas tem de ter inclusão”, opinou.

Vânia estava interpretando para Janaína Iwanaga, que é surda e cega e acompanhou um jogo de futebol da Copa pela primeira vez.

“Ela disse que está sofrendo quando quase faz gol e vivendo a emoção, é uma experiência muito legal. Normalmente eles não participam da emoção de torcer e esperar pelo gol, aqui eles estão tendo acesso ao que está acontecendo ao vivo na Rússia.”

Vânia conta que uma das vezes que mais se emocionou foi trabalhando com Carlinhos.

“Eu me realizo proporcionando essas alegria a eles. Um dos trabalhos que me deixou mais emocionada foi sendo intérprete de libras do Carlinhos em um evento. Interpretei um poema e ele dizia que estava emocionado de poder entender. Eu me emocionei com a emoção dele” relembra.

Ao final do jogo, Carlinhos estava aliviado. “Ufa! Agora vamos para mais uma fase”, disse ele através do intérprete Renato.

Janaína também se disse feliz após a experiência. “Eu tive um pouco de dificuldade no começo porque eu nunca tinha acompanhado o andar dos jogadores pelo campo tático. Mas gostei muito e foi muito melhor torcer”, disse ela através da guia-intérprete Vânia.

 

Por: Bárbara Muniz Vieira
Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/torcedores-surdo-cegos-se-reunem-para-acompanhar-o-jogo-do-brasil-contra-o-mexico-em-sp.ghtml (Acesso em 02/07/2018)

Receba as edições impressas da Revista PCD na sua casa!

Newsletter

Cadastre-se e fique por dentro das novidades!

Quer receber as novidades sobre o universo PCD no seu e-mail? Cadastre-se abaixo: